.

.
Clique na imagem acima para acessar nossa nova página no Facebook e interagir com outros leitores e comigo

terça-feira, 27 de março de 2012

Discernimento Espiritual - um pensamento de Clarke


“A Bíblia diz, e diz corretamente, que “as coisas espirituais são discernidas espiritualmente”. O homem tem vários órgãos pelos quais pode discernir várias realidades. Cada classe de realidades é discernida por meio de seu próprio órgão. Externamente, sabemos disso bem. Nunca esperamos ver com nossas mãos, ou cheirar com nossos ouvidos. Sabemos que não podemos fazer um cálculo de regra de três com nosso nariz, ou experimentar com nossa língua a correta tradução duma frase grega. Coisas visíveis, sabemos, são discernidas opticamente, pelos olhos; coisas audíveis são discernidas audivelmente, pelos ouvidos; coisas tangíveis são discernidas pelo toque; coisas lógicas são detectadas pela razão; emoções da alma são percebidas pela consciência; fatos históricos são relatados pela memória. Não negamos a existência de Júlio César por não podermos tocá-lo; nem a fragrância duma rosa por não podermos ouvi-la. Assim como não negamos a existência da esperança e do medo, do amor e do ódio, por não podermos percebê-los pelo sentido. Por quê, então, duvidar da realidade de coisas espirituais, já que devem ser discernidas espiritualmente?”

Rev. James Freeman Clarke (1870)

quinta-feira, 8 de março de 2012

O grande espetáculo da Ditadura do Politicamente Correto


Apesar de eu tentar não trazer este tipo de discussão para este blog em particular, não deixo de pensar que essa tenha uma relação direta com aquilo que costumo discutir aqui: O Ministério Público Federal entra com ação contra os responsáveis pela publicação do Dicionário Houaiss (a Editora Objetiva e o Instituto Antônio Houaiss) por sua definição do verbete “cigano”:

Cigano adj. 1 Relativo ao ou próprio do povo cigano; zíngaro Adj. s.m. 2 relativo a ou indivíduo dos ciganos, povo itinerante que emigrou do Norte da Índia para o oeste (antiga Pérsia, Egito), de onde se espalhou pelos países do Ocidente; calom, zíngaro 3 p.ext. que ou aquele que tem vida incerta e errante; boêmio 4 p.ana. vendedor ambulante de quinquilharias; mascate 5 (1899) pej. que ou aquele que trapaceia; velhaco, burlador 6 pej. que ou aquele que faz barganha, que é apegado ao dinheiro; agiota, sovina 7 que ou o que serve de guia ao rebanho (diz-se de carneiro) 8 LING m.q. ROMANI ETIM fr. cigain (sXV, atual tsigane ou tzigane, estas por infl. Do al. Zigeuner), do gr. biz. athígganos ‘intocável’, nome dado a certo grupo de heréticos da Ásia Menor, que evitava o contato com estranhos, a que os ciganos foram comparados quando de sua irrupção na Europa central; c.p. tur. cigianI/i>, romn, zigan, húng.cigány, it, zingano (a1470, atual zíngaro); f.hist. 1521 cigano, 1540 cigano, 1708 sigano COL bando, cabilda, ciganada, ciganagem, ciganaria, gitanaria, maloca, pandilha HOM cigano(fl.ciganar)”.

O MPF compreende que houve racismo e discriminação nos itens 5 e 6 do verbete! Entretanto, uma leitura atenta da definição, mostra claramente que não há nenhuma intenção de se definir o termo de maneira racista ou discriminatória. O que se faz é o que se espera dum dicionário: a oferta do sentido do termo em seus diferentes usos sociais. Ao oferecer os sentidos 5 e 6, o dicionário deixa claro que aquele é o sentido pejorativo dado ao termo no uso social da língua. Talvez os críticos devessem aprender um pouco mais sobre linguística, e talvez aprender a ler mais atentamente!

Já não bastasse um Estado que tenta controlar a vida dos cidadãos em seus mínimos detalhes, seja em termos do que fazemos ou dizemos, agora até a história da língua querem reescrever! Heaven forbid!

terça-feira, 6 de março de 2012

Retavista?!

Relativista, eu? Provavelmente, não. Apesar de acreditar que nossa "percepção de verdade" dependa do lugar de onde estejamos observando, isso se aplica apenas à percepção desta - a verdade per se está lá em algum lugar; ela é real. Entretanto, a maioria de nós, na maior parte do tempo, só chegará a conhecer apenas isso: a "percepção de verdade", e não a própria verdade. Assim, nossa interpretação da realidade é relativa, mas a realidade per se (se é que esta existe de qualquer forma) não.