.

.
Clique na imagem acima para acessar nossa nova página no Facebook e interagir com outros leitores e comigo

quinta-feira, 13 de maio de 2010

A Suprema Vingança de Cristo?!?

Hoje ouvi um discurso abominável. Um pregador (pseudo)cristão dizia que quem não ouvisse sua mensagem seria "devorado pela suprema vingança de Cristo", e que Deus "feria com a morte seus inimigos". Confesso que fiquei horrorizado por seu discurso e mais horrorizado ainda pelo fato de outras pessoas concordarem com suas palavras.

De que cristo ou que deus aquele homem falava eu não sei. Sei que não poderia ser o mesmo Cristo que eu julgo seguir, nem o mesmo Deus que creio ser a Vida do universo. Pois esse Cristo que sigo - prefiro chamá-lo por seu nome: Jesus - pregou amor, misericórdia, perdão, compaixão, justiça (em seu sentido mais nobre)... ao menos, é o que afirmam os vários relatos nos Evangelhos e é o que afirma a tradição cristã; e o Deus no qual acredito é chamado de "amor" pelas Escrituras cristãs (e pelas escrituras da maioria das outras grandes tradições religiosas). Jamais li em lugar algum nos Evangelhos que quem não ouvisse a voz de Cristo seria "devorado por sua suprema vingança" - até porque para que esse cristo pudesse "devorar" todos os que não são cristãos (é o que entendi pelo discurso daquele pregador), sua vingança teria de ter uma enorme boca!!!

Não acredito que esse tipo de crença seja saudável e, na verdade, creio que represente aquilo que chamo de sinal duma esquizofrenia fundamentalista, o tipo de doença malévola que faz com que o indivíduo julgue ser portador de uma verdade única e excludente, e que todos aqueles que não a abraçam estejam condenados. É um verdadeiro desperdício e contradiz todo aquele espírito presente na tradição cristã!

Realmente espero que um dia sejamos capazes de excluir a violência de nossas ideias religiosas. Esse tipo de crença religiosa excludente é a motivação que mentes doentias precisam para se tornarem bandidos de "cruzadas" ou "jihads" às avessas. Nosso mundo não precisa disso; Deus não precisa disso; religião nenhuma precisa disso.
Postar um comentário