.

.
Clique na imagem acima para acessar nossa nova página no Facebook e interagir com outros leitores e comigo

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Para "ler" as Escrituras Sagradas - parte 2


[continuação]

Seria essa projeção de nós mesmos sobre o texto que lemos algo negativo em si?… Não necessariamente; e isso porque, de certa forma, é inevitável. Mesmo quando lemos um texto com um imenso cuidado analítico, tentando fazer uma leitura que contextualize-o histórica e linguisticamente – ou seja, mobilizando amplos conhecimentos hermenêuticos em nossa atividade exegética –, estaremos “nos projetando” sobre o texto.

Dizer isso pode soar como um ataque às crenças de alguns, mas essa compreensão é importante para que possamos reconhecer nossa limitação e para que sejamos capazes de fazer autocríticas. Ademais, também é importante para que possamos conviver com a diferença.

Isso me faz pensar no crescente discurso/comportamento chamado de “islamofobia” em certos meios cristãos. Esse discurso/comportamento se faz presente nas redes sociais, por exemplo, quando pessoas partilham – de forma pouco informada – mensagens que pedem o fim da suposta “islamização” do Ocidente. [Enveredando por um caminho que lembra o discurso antissemita anterior ao período nazista na Europa.]

O que essas pessoas não levam em consideração é que sua percepção do Islã baseia-se numa série de fatores que não dizem respeito ao Islã propriamente – até porque muitas delas pouco sabem sobre a religião.

Quando, por exemplo, veem alguém que se vista da forma como pensam que muçulmanos se vestiriam, especialmente quando se trata de mulheres, o que algumas dessas pessoas podem enxergar é uma ameaça ao seu “modo de vida”. Para elas, ser muçulmano tornou-se, equivocadamente, sinônimo de violência, terrorismo, opressão, intolerância etc.

A informação que recebem, quase todos os dias, da televisão, dos jornais, dos filmes, da internet – e que acaba sendo também refletida, muitas vezes, nos sermões de líderes eclesiásticos – é que o Islã é uma ameaça a todos. E essa informação – juntamente com toda a visão de mundo que essas pessoas já abraçam – será projetada em sua leitura do Islã e dos muçulmanos e, se ela for uma daquelas raras pessoas que já leram uma tradução do Corão, em sua leitura do texto mais sagrado para os muçulmanos (sim, porque a Bíblia também é sagrada no Islã).

Elas encontram passagens violentas no Corão e, prontamente, apontam-nas como evidência de que o Islã seja uma religião violenta. Contudo, não leem as centenas e centenas de outras passagens que falam em amor, tolerância e cuidado. Não percebem as passagens violentas de sua própria Bíblia. Da mesma forma, não se dão ao trabalho de perceber a diversidade de expressões do Islã – isto é, não percebem que há muitas tradições islâmicas, não apenas uma; da mesma forma como há muitos cristianismos, e não apenas um.

Citei acima o exemplo do Islã, mas poderia ter usado qualquer outra comunidade de fé como exemplo. A ideia de projeção de nossos (pre)conceitos sobre nossa leitura daqueles que nos cercam é semelhante àquela que se processa quando lemos nossos textos sagrados.

Duma certa forma, por mais que isso soe perturbador para alguns, quando lemos as Escrituras nos engajamos numa atividade de construção do Divino à nossa imagem e semelhança. Deus é, sim, uma Realidade; mas quando racionalizamos essa Realidade – isto é, quando “lemos” essa Realidade em nossos textos sagrados –, a moldamos de acordo com nossa própria visão de mundo, através da visão de terceiros que escreveram aquelas palavras e de outros que decidiram que aquelas palavras deveriam ser tomadas como sagradas, através de outros que ensinam sobre aquelas palavras, etc…

Ou seja, a leitura é sempre um entrelaçamento que evidencia que não estamos sozinhos. Para mim, como cristão, estão lá o texto sagrado, fonte primária da doutrina cristã (a Escritura); a forma como aquele texto tem sido compreendido na história da Igreja (a Tradição); a minha compreensão de fé por meio de minha própria vida, meu próprio lugar no mundo (a Experiência); e a maneira como minha consciência discernirá essa experiência de leitura (Razão).

A leitura, assim, é sempre um engajamento com o passado e o presente, com o sentido e o vivido, com o profano e o sagrado, com o humano e o divino. Nunca lemos “solitariamente”.

Que possamos, todos nós, estar mais conscientes e atentos à forma como lemos não apenas nossos textos sagrados como também ao mundo ao nosso reder.

+Gibson
Postar um comentário